Indicadores turísticos registam performances negativas no mês de Janeiro de 2009

17 11 2009

O mês de Janeiro, como é sabido, não é um mês de grande actividade económica turística a nível nacional quando comparado o seu resultado com os alcançados ao longo da época alta. Porém, o mês de Janeiro do corrente ano ficou marcado por uma performance turística ainda mais reduzida do que o habitual, tendo apresentado sinais de retracção nos distintos indicadores analisados pela ILM Advisory.

AEROPORTOS
Ao nível da entrada de passageiros via aérea assistiu-se a uma quebra de 3% nos cinco principais aeroportos nacionais – Porto, Lisboa, Faro, Funchal e Ponta Delgada – o que se traduziu em menos 53.352 passageiros em território nacional. De todos os aeroportos analisados, o de Faro, foi aquele que registou a maior quebra (13.637), sendo que deste total de passageiros 3.500 eram oriundos do Reino Unido. Esta diminuição acentuada de turistas oriundos deste país é justificada em parte pela actual crise económica e a consequente desvalorização da Libra Esterlina face ao Euro, o que leva a que os britânicos optem por destinos turísticos onde o seu poder de compra é mais elevado.

CRUZEIROS
A informação relativa ao número total de navios de cruzeiros que chegam aos distintos portos nacionais representa igualmente uma importante fonte de conhecimento sobre o número total de turistas entrados em território nacional. Dos três portos analisados – Lisboa, Funchal e Portimão – constatamos que o Porto de Lisboa recebeu 4 navios, um a menos do que no período homólogo em observação, o do Funchal manteve os seus 23 navios no mês de Janeiro e que o Porto de Portimão não recebeu nenhum paquete no mês em análise em ambos os anos.

Assim, a nível global e comparativamente com o mês de Janeiro de 2008, assistiu-se a um aumento de 3.733 passageiros. Importa porém mencionar que a grande maioria destes turistas se encontraram somente em trânsito no território nacional, não gerando desta forma receitas tão elevadas como aqueles que embarcam e desembarcam nos portos nacionais. A elevada afluência ao porto do Funchal, comparativamente com os restantes portos, é justificada pelo facto desta ilha albergar um dos maiores fogos de artifício na passagem de ano atraindo por isso um elevado número de turistas e cruzeiros até este destino no início do mês de Janeiro.

HOTELARIA
Tal como referido previamente, apesar do mês de Janeiro não ser considerado um mês forte para a hotelaria nacional, este foi ainda um mês mais fraco do que é habitual tendo-se assistido a quebras na ocupação/quarto de 18.1% na região de Lisboa, segundo dados da Associação de Turismo de Lisboa (ATL), e de 8% na região do Algarve, conforme informação disponibilizada pela Associação dos Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve (AHETA). As mesmas instituições mencionaram ainda que em termos absolutos a região de Lisboa alcançou uma taxa de ocupação de 38.35%, enquanto que a do Algarve obteve somente uma taxa igual a 28.8%, tendo sido nos estabelecimentos de categoria superior que se registaram as maiores quebras nesta rubrica. Assim, na região de Lisboa, foram os hotéis de 4 estrelas aqueles que registaram as melhores taxas de ocupação (41.74%), seguidos pelos de 3 estrelas (39.51%), enquanto que no Algarve foram estas últimas unidades de alojamento as que atingiram as maiores taxas de ocupação – 43.6%.

Situação que poderá traduzir o facto de cada vez mais o turista optar por unidades de alojamento com custos mais reduzidos.

Outra tendência iminente é o facto do turista, cada vez mais, optar por estadas mais curtas o que tem necessariamente repercussões ao nível das taxas de ocupação.

LAZER
Ao nível das actividades de lazer, onde se inclui o golfe e as visitas às distintas atracções turísticas nacionais, registaram-se igualmente quebras no comparativo do mês de Janeiro de 2009 face a 2008.

As reduções verificadas no golfe justificam-se pelo facto desta ser uma actividade dispendiosa. Na Região de Lisboa foram jogadas menos 5.5 voltas/dia, tendo sido os não sócios aqueles que mais contribuíram para esta quebra.

Actualmente encontram-se igualmente a surgir novos destinos de golfe que apresentam preços mais acessíveis e condições similares aos campos nacionais, os quais acabam por competir com Portugal e atrair um maior número de jogadores, como é o caso da Turquia e de Marrocos.

No que diz respeito aos museus e palácios a cargo do Instituto dos Museus e da Conservação assistiu-se a uma redução significativa no número de entradas registadas quer nos museus, quer nos palácios. A quebra registada ao nível dos museus foi porém menos expressiva com menos 15% de entradas, totalizando-se 57.924 entradas.

De todos os museus, o Museu Nacional dos Coches foi o mais visitado com 8.163 entradas. Por outro lado, ao nível dos palácios verificou-se uma redução de 44% no número de entradas passando-se de 71.799 visitantes em Janeiro de 2008 para 39.650 no período h0mólogo de 2009. O palácio mais visitado no primeiro mês do ano corrente foi o Palácio Nacional de Sintra, o qual registou 12.241 entradas, seguido de perto pelo Palácio Nacional de Mafra com 11.955 entradas.

Os dados anteriormente expostos permitem-nos assim concluir que o sector turístico nacional, no mês de Janeiro de 2009, sofreu com os efeitos da instabilidade económica sentida a nível global, a qual têm produzido repercussões negativas no sector em análise a nível mundial. Denota-se porém que, apesar do período em causa, os turistas mantêm a sua vontade de viajar visto só se ter verificado uma quebra de 3% nos cinco principais aeroportos nacionais analisados, mas que no entanto estes optam por viajar em companhias de voo low cost as quais aumentaram a sua representatividade a nível nacional. Os turistas começam igualmente a preferir unidades de alojamento com custos mais reduzidos de maneira a poderem continuar a viajar, optando também por efectuar estadas de menor duração, de maneira a reduzirem os seus custos de deslocação. Por fim, a redução do tempo disponível dos turistas nos seus locais de destino, produz também efeitos negativos ao nível do tempo que os mesmos dispõem para visitar as atracções turísticas locais e realizarem actividades de lazer regionais, o que explica, em parte, as quebras registadas nestas instituições no mês de Janeiro de 2009.

Anúncios

Ações

Information

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s




%d bloggers like this: