Concretizado o sonho de TER… e agora? Tempo para soluções low cost advisory

16 07 2010

Maria João Silva

Nos dias que correm, muitos são aqueles que procuram uma vida mais tranquila, longe do rebuliço da cidade e em perfeita harmonia com a Natureza. Quando decidem fazê-lo, muitos ambicionam recomeçar e apostar num novo rumo profissional, sendo que, em alguns casos, isso significa concretizar um sonho de vida: possuir um TERTurismo em Espaço Rural.

As motivações, para tal, são inúmeras: uma forte ligação à terra onde se nasceu, uma herança familiar constituída por um terreno ou um edifício com (ou onde se crê que exista) um forte potencial turístico, uma boa reforma ainda em idade activa, e sobretudo o desejo de bem receber.

As motivações para TER são de facto as mais diversas, sendo que as apresentadas não abarcam certamente nem um terço das possíveis. Porém a realidade é que, na grande maioria dos casos, os actuais proprietários de espaços rurais não possuem formação na área do turismo, nem encaram esta actividade como um negócio que tem de ser viável, competitivo e com um papel muito importante no desenvolvimento turístico da região onde se insere. Denota-se sem dúvida, uma vontade extrema em bem servir os hóspedes, em garantir que estes ficam satisfeitos com o serviço prestado e o produto encontrado, mas no entanto e, em simultâneo, assiste-se a fortes lacunas do ponto de vista da gestão, do poder negocial e da capacidade para comunicar e desenvolver diferentes canais de distribuição, lacunas estas que acabam por condicionar a viabilidade de muitos dos TER’s localizados em território nacional.

A sobrevivência desta tipologia de empreendimentos turísticos exige cada vez mais a qualificação da oferta existente através da manutenção de redes de apoio à gestão que vão muito além das estruturas de distribuição existentes.

Estas redes de apoio à gestão, baseadas num modelo integrado, devem ter por objectivo potenciar sinergias entre distintas unidades por forma a garantir uma redução dos custos de operação, uma maximização dos esforços de distribuição e comunicação, uma melhor adaptabilidade do produto às necessidades do(s) mercado(s), uma maximização do potencial turístico da propriedade e, consequentemente da região enquanto destino TER de referência, num  panorama global cada vez mais competitivo.

Não obstante, esta gestão integrada que poderá passar pela operação de uma central de compras, marketing e reservas dedicada, bem como, por exemplo de um serviço de lavandaria conjunto, pressupõe-se que cada TER deverá manter a identidade e o carisma que o caracterizam, enquanto espaços de alojamento único, de resguardo, tranquilidade, contacto com a natureza e interacção com as pessoas e a envolvente, sendo estes os factores diferenciadores que lhe permitem sobreviver num mercado tendencialmente mais competitivo. O turista que procura esta tipologia de empreendimentos turísticos pretende beneficiar de um serviço mais personalizado, menos massificado e, acima de tudo, tirar proveito da autenticidade inerente a estas propriedades.

Foi a pensar nas necessidades práticas inerentes à gestão destas pequenas unidades de Turismo em Espaço Rural e nas iniciativas castradas pela falta de recursos, que criámos uma solução de  low cost advisory que permite a operacionalização destas redes de gestão integradas e, a nível individual, dar resposta às necessidades dos proprietários e potenciais proprietários de TER’s ou de outras unidades de alojamento de pequena dimensão, com capacidades de investimento mais reduzidas, mas que ambicionam servir com excelência o sector do turismo nacional. Com esta abordagem pretende-se não só envolver o investidor em todo o processo de concepção e materialização do seu sonho de TER, mas também ensiná-lo e prepará-lo para algumas das realidades inerentes ao sector da hotelaria para as quais poderá não estar preparado devido à sua falta de experiência no sector.

Foquemo-nos por exemplo na região do Alentejo, onde os TER constituem a principal tipologia de empreendimentos turísticos. Num futuro próximo, os cerca de 35 projectos turísticos existentes para a região já terão sem dúvida alguma, ultrapassado em número de camas e, muito provavelmente, afectado a oferta das cerca de 170 unidades de turismo em espaço rural existentes actualmente na região. A força de vendas de que os novos empreendimentos turísticos irão beneficiar, alguns geridos por marcas internacionais (Hyatt Hotels & Resorts, Alila Hotels & Resorts, Banyan Tree, entre outras), seguramente limitará a visibilidade dos TER, sendo por isso essencial que estas unidades de alojamento se unam com o intuito de se promoverem de uma forma mais eficaz e agressiva. Ainda relativamente aos TER do Alentejo, diríamos que a profissionalização e promoção conjunta contribuirão igualmente para, mais do que tudo a nível internacional, potenciarem um destino turístico distinto daqueles a que os mercados externos estão habituados a associar à imagem de Portugal.

À semelhança do que acontece em destinos como a Provence, a Córsega, a Galiza, entre outros sub-destinos que se caracterizam pelo seu ambiente rural, é plausível acreditar que também Portugal tem regiões que assim se possam vir a afirmar no panorama turístico global. Para tal, é necessário que se criem mecanismos que promovam a cooperação e qualificação da oferta rural existente e potencial, e que se disponibilizem ferramentas que permitam a estas unidades estar a par da realidade do sector. É igualmente fulcral a existência de recursos humanos especializados que apoiem estes TER na adaptação às exigências do sector.

É de felicitar todos aqueles que desejam empreender e que escolhem o turismo e a hotelaria para o fazer. No entanto, cabe-nos alertar para a necessidade deste investimento de vida ser feito em consciência e de forma sustentável, tendo em conta as tendências de mercado, os factores críticos de sucesso da operação, bem como as oportunidades e as ameaças inerentes a esta tomada de decisão, sendo que, no caso do sonho TER há que é garantir que o sonho ao materializar-se seja um sucesso e uma referência não só para o proprietário, bem como para todos aqueles que poderão vir a beneficiar do mesmo.

Anúncios

Ações

Information

6 responses

16 07 2010
Tweets that mention Concretizado o sonho de TER… e agora? Tempo para soluções low cost advisory « I-blog -- Topsy.com

[…] This post was mentioned on Twitter by ritaantonietaneves, ILM Group. ILM Group said: Concretizado o sonho de TER… e agora? Tempo para soluções low cost advisory. http://wp.me/ptL57-3B […]

16 07 2010
armandosvieira

Ola,

parabéns pelo vosso blog. Mas podiam concretizar quais as acções e consultoria que desenvolvem?

17 07 2010
ILM Advisory

Muito obrigada Armando. Os serviços de consultadoria especializada em hotelaria e turismo prestados pela ILM Advisory caracterizam-se pelas suas características “tailor made” sendo prestados de forma individual ou integrada em função dos atributos do projecto e das necessidades do promotor/investidor. Dos serviços base saliento análise de mercado ou de factores críticos de optimização, analise de viabilidade económica e financeira, procura de marca de gestão, marketing estratégico e operacional, gestão de destino, business planing. Mas como lhe digo será sempre uma resposta adequada às necessidades individuais de cada projecto.

17 07 2010
Frederico Santos

Como operadores Alemães especializados no destino Portugal, o TER é um dos produtos que tentamos comercializar entre os nossos clientes. A oferta é geralmente de boa qualidade, e os proprietários que gerem directamente as uidades empenham-se em tornar as estadias dos hóspedes tão confortáveis e personalizadas quanto possível. Por norma, não comercializamos unidades que não sejam directamente geridas pelos proprietários, por não apresentarem as mesmas garantias de qualidade.

A maior adversidade reside nos preços, que ao longo dos últimos 10 anos têm vindo a afastar os clientes, atraídos por ofertas financeiramente muito mais atraentes dos projectos turísticos e da hotelaria tradicional.

Caso os proprietários dos TER não encontrem a curto prazo soluções que lhes permitam oferecer preços concorrenciais, a actividade estagnará ainda mais. Por outro lado, necessitam os proprietários de escolher estratégias de marketing que passem pela comercialização através de entidades especializadas na matéria e que lhes permitam escapar à sasonalidade. Muitos proprietários insitem em investor eles próprios tempo e alguns recursos financeiros na promoção comercial das suas unidades. Estes esforços são geralmente mal recompensados, embora permitam aos proprietários economizar o desconto a conceder aos operadores turísticos ou a outras entidades especializadas na comercialização.

Em resumo: o TER não foi, não é e nunca será uma actividade extraordinariamente lucrativa. Reune, no entanto, condições para ser sustentável desde que respeite alguns princípios. Felizmente começa-se a assitir ao aparecimento de proprietários com uma visão mais ampla, e que compreendem as vantagens de colaborar de uma forma positiva com operadores turísticos. Compreenderam também que a antiga tradição de oferecer 10% de comissão sobre os preços ao público não atrai operadores turísticos que façam um investimento sério em promoção. E os resultados positivos começam a fazer-se notar.

17 07 2010
armandosvieira

Caro Frederico,

concordo plenamente consigo. O TER tem preços muito inflacionados e trabalha sobre um modelo muito rígido e difícil de integrar com as exigências dos clientes modernos. É pena, pois temos muito potencial, mas pelo que vejo, temos um longo caminho a precorrer.
As associacoes tb não tem feito grande coisa, sobretudo a nível de promoção e sobretudo certificacao.

30 07 2010
Simão de Deus Correia

Caro Frederico,

Penso ter em carteira algumas soluções que gostaria de lhe apresentar.
Como poderei entrar em contacto consigo?

Cumprimentos,
Simão de Deus Correia
simao@vistadmc.pt
http://www.vistadmc.pt

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s




%d bloggers like this: