Algarve golf still a strong product but what is the future?

18 02 2011

by Stuart Woodman – ILM Golf Associate & Andrew Coutts – ILM CEO for Portugal Travel News

Leading Sustainable Tourism2

Golf in the Algarve has built a reputation for excellence over a period of 40 years. The factors which have contributed to this status are:

* the weather
* the quality and diversity of the golf courses
* the service and friendliness of the people
* the support offer (accommodation, food & beverage, beaches, etc.)
* access by air and by road
* value for money and investment opportunities in real estate.

As we are all painfully aware, the current financial crisis is having a negative effect on leisure and tourism based activities around the world, and we are all having to adjust our businesses and lives to adapt to this. in addition to exacerbate matters, the Algarve experienced a very cold, wet winter in the 2009/2010 season. This had a much stronger affect on those who do travel to a particular destination (for the core benefits of the Algarve´s weather), in the current economic situation, than it did in the past.

When a tourist spends their available cash on a winter break, they expect a break from the day-to-day problems and enjoy a break from northern European weather! To encounter constant rain in a destination reputed for good weather, creates a very negative reaction. For those in the golf and travel business, it is not unusual to encounter a client on a rainy day, saying ‘What is this weather doing, I came here for sunshine, why is it raining?’ We all explain that we have some 40cms. of rain every year and it must fall sometime, to which the reply is frequently, ‘Yes, but why is it doing it now when I am here?’

The common statistic that people repeat bad news far more often than good news, then takes effect during the next season. Morocco and Turkey likely benefiting. This was the case in 2010, when during the period of January to April, the Algarve experienced unusual rainfall, the numbers of rounds played in the Algarve dropped by 9.46% (33,640 rounds) when compared with 2009.

During the summer period (May to September) the decrease was only 0.79% (3,129 rounds) and in the winter (October to December) the drop was only 0.59% (1,444 rounds).

So the figures support the assumption that the poor weather had a severe knock-on affect. As we are experiencing a far better and more typical winter in the first part of 2011 we must obviously market this fact as widely as we can, to eradicate the negative reaction to the previous winter. However, this is obviously not the only challenge confronting operators. Whilst there is a strong offer of golf courses, it is akin to a hotel, never big enough (in supply of golf courses terms ) when business is good and demand strong, but too big when business is bad.

Similar to the hotel business, the fixed costs of a golf business cannot be reduced beyond the point where the product or base asset and service begins to deteriorate. Almost all of the Algarve golf courses are integrated within or related to a resort, where the sale of real estate is the main income earner, with golf being an anchor and catalyst to facilitate the real estate marketing efforts.

Whilst a stand-alone golf product can generate profits, golf assets are never going to be in the category or level as the income that can be made from the development and selling of property and in a falling financial market, break-even will be acceptable and creating profit is an achievement.

In the ‘good times,’ more money than was sensible or necessary was invested in some Algarve golf courses and their clubhouses. A clubhouse can have two functions: to service the golf trade and to help to demonstrate the quality of building which is available on a resort.

In a project where real estate is the key element, there is an amount which can be spent, in showing the ‘life-style’ that a property buyer can enjoy, if they invest in real estate. However, if the course is not directly selling real estate, such a building is a weight around the neck of the project. It is interesting that Penina, built in 1966, is one of very few golf products in the Algarve where the clubhouse is part of the hotel. Thus the golf and food & beverage personnel of the clubhouse are an integral part of the hotel product, creating operational synergies and labour cost savings.

This is also a similar case in the Sheraton Algarve where the food & beverage outlet required of the golf product was conceived as a general outlet for the resort.

Obviously, in these troubled times for real estate developers, large clubhouses are financially a millstone around the neck of the resort. The fact that they provide a F&B service also makes them an internal competitor for any other resort owned and operated F&B outlets.

The 630 holes of golf available in the Algarve are distributed over 26 resorts; some having only 9 holes and others, such as Vilamoura, having 90 holes. This is a very strong offer in the good times, when all can enjoy a profitable business. However, in many resorts with other products to sell, in rental accommodation from both hotel, villa and apartment beds, and real estate, income from golf has to be diverted to support the parts of the business which are losing money, which then has a knock-on effect on this sector. This results in a lowering of quality, due to lack of funding and problems soon multiply.

Although the Algarve beaches remain superb, the people are as friendly as ever and the weather can be relied upon as much as a feature of nature can be, the Algarve golf product is in danger of losing its reputation for quality on some of the regions courses. Happily, some are in better condition than usual, Quinta do Lago, Vale do Lobo Laranjal and Monte Rei standing out in this respect. These business´s follow a policy of maintaining a pricing policy, based on real operating costs. This does not always mean that they will be profitable, as the price charged must match the market spending power and profile.

The process of managing a golf course successfully is not complex; by accurately forecasting the rounds which will be sold and then making sound assessments of fixed and variable costs, by dividing the former into the latter, we arrive at a ‘Cost per round played.’

Once additional financial costs are added, it is then easy to calculate the correct break-even selling price, being able to decide on what profit percentage is viable, in the current market. Where a resort has accommodation to sell, it is conceivable to combine the golf and accommodation using the same formula but looking for a combined profit or break-even, whilst waiting for the financial situation to turn around. Some courses in the Algarve have ‘panicked’ and are charging prices below the economic break-even and are taking strategic decisions based upon poor understanding or false economic assumptions.

Golf courses that are located in a resort have some ‘members’ as a result of the connection with the real estate offer and others simply through selling memberships to grant access to the golf course. This creates useful income and vital atmosphere in the resort.

65% (17) of the regions resorts have golf and real estate, 15% (4) with golf, real estate and hotel components, 1 with a hotel only and 15% (4) who have golf only. It is interesting to note that the 4 “golf only” products only lost a total of 1,259 rounds over 2009 figures. One of the four resorts with three components lost over 10,000 rounds whereas the other three integrated resorts only lost a total of 3,325 rounds and so will have been able to regard their golf operation as the catalyst to their hotel revenue, although this may have been at a much reduced price level.

As with the weather, the decision in 2010 of local government to excavate various primary roads exacerbated the negative reaction of visitors, with many finding access not easy. This seems to be past its worst, but is still continuing, creating a ‘building site’ impression.

The supporting and vital complementary offer of tourist accommodation and food & beverage outlets is also under severe pressure, with many hotels reducing prices dramatically and with many F&B outlets choosing to close for long periods.

The beaches continue to be an enormous asset, but the sun and sand product is a very seasonal business. The habit of offering different hotels and tour operators, varying prices for golf is beginning to hit home, with some being unable to sell golf packages in a price related market, as their price can only be higher than that of their competitors. Those who work on a ‘rappel’ system, charging the same “market “price but then awarding a credit at year end for the number of rounds sold, are now the chosen courses to play for many tour operator suppliers, as it is with these products that they can compete in the market.

The increase in web site bookings is also having a major impact on the market and a balancing act is required to ensure that both direct and tour operator sales can continue to maintain a balance in the “source of business”.

The overall reduction in rounds played in 2010 over 2009 was 38,213 -4%, (2010- 957,412 against 2009 – 995,625). This was divided between the “Barlavento” with a decrease of 11.64% in the period January to April (period A), 3.29% in the summer period May to September (period B) and 2.06% in the winter period – October to December (period C). The Central “region” showed a decrease of 8.52% in period A, 2.34% in period B and just 1.23% in period C. The “Sotavento” showed a decrease of 5.62% in period A, 5.53% in period B and in fact an increase of 6.36% in period C.

So what should the Algarve do to improve its position and performance? The most important elements of selling golf holidays are:

* Weather – we should promote the fact that the Algarve’s weather is the best in Europe, with illustrations of the weather we experienced this January. People (Brits!) were sunbathing on the beach and golfers wearing shorts and polo shirts;
* Golf course quality – operators should not allow quality to drop, but control costs very carefully. There is less demand now, so perform “agricultural maintenance” more regularly. Inspire staff to ‘go the extra mile’ to satisfy the clients we do have, so that they act as ambassadors for the Algarve golf product;
* Access – bring the roads back into condition, the road to Quinta do Lago (the best resort in Europe) has been closed for nearly 18 months and many others have been badly damaged by excavation;
* Airlines – make use of the low cost airlines, which will gradually be the future and work to make the product suit this mode of transport, such as having the hire of quality golf equipment available at all courses at a reasonable, to save passengers the need to pay to bring their own, at a high cost;
* Management – Use professional management. No one has all of the answers, but use those who know most from experience and training, this is where the major improvements will come from in product, service, operations and marketing;
* Development – “control” the future of golf development so that the style and number of courses suits the market demand;
* Marketing – formulate marketing plans carefully to ensure that the Algarve is in the mind of the travelling public, especially in Central and Northern Europe. Work with the golf courses, accommodation suppliers and airlines to create more familiarisation visits for those who generate the golfing travel business, with all sharing the cost, as it is a benefit for all of the Algarve golf community.





Especial – Seminário Promover Turismo. Capitalizar Cultura

25 11 2010

Seminário ILM - Promover Turismo, Capitalizar Cultura

Caros Amigos,

A pouco mais de uma semana da realização do Seminário Promover Turismo – Capitalizar Cultura, que o Grupo ILM está a organizar com o apoio do Turismo de Portugal e IGESPAR, tomamos a liberdade de preparar uma selecção de notas de opinião desenvolvidas pela nossa Equipa do Laboratório de Turismo Cultural relacionadas sob a temática deste seminário.

O Seminário Promover o Turismo – Capitalizar a Cultura pretende constituir uma oportunidade de reforçar o diálogo entre turismo e cultura como forma de criar sinergias e simbioses sustentáveis com efeitos práticos, produzindo benefícios socioeconómicos para todos os seus stakeholders.

Serão apresentados exemplos de boas práticas em cooperação, organização, gestão e financiamento através dos casos de sucesso incluindo da VisitBritain, Hadrian’s Wall Country e Heritage Lottery Fund UK.

ALGUNS DOS ORADORES CONFIRMADOS:
_Luís Patrão, Turismo de Portugal
_Gonçalo Couceiro, IGESPAR
_Joss Croft, Visit Britain
_Emma Carver, English Heritage
_Gareth Maeer, Heritage Lottery Fund
_Linda Tuttiett, Hadrians Wall Country
_Alisdair Hinshelwood, HaleySharpDesign
_Simon Ody, The Visitor Attraction Company

Fazendo votos que a esta iniciativa e o programa de seminário proposto pela nossa Equipa do Laboratório de Turismo Cultural vá ao encontro das vossas expectativas, desde já agradecemos a atenção dispensada e relembramos que se ainda não teve oportunidade de fazer a sua inscrição basta preencher e nos devolver o Programa e Ficha de inscrição de acordo com os moldes de participação disponíveis.

Contamos com a participação!

Melhores cumprimentos,
Simon Punter

ESPECIAL SEMINÁRIO PROMOVER TURISMO CAPITALIZAR CULTURA

O património cultural é único a cada país e espelha a sua identidade (turística) – Entrevista Ambitur com Simon Punter e Andrew Coutts
No final de 2009, a ILM decidiu avançar com a criação de um Laboratório de Turismo Cultural (LTC) concentrando esforços internos e reunindo um conjunto de parceiros especialistas em áreas como o planeamento, design, sustentabilidade e operação de “heritage visitor attractions”, no desenvolvimento de uma abordagem crítica de análise e optimização e valorização do património histórico cultural nacional. Apesar de Sagres, Sintra e Belém serem dos locais mais visitados do país, com milhões de turistas, estão sub-aproveitados ao nível do contributo que dão à projecção da imagem nacional e ao nível das receitas que conseguem gerar.

Turismo, sustentabilidade, cultura e património
A noção de sustentabilidade da cultura e património enquanto negócio não é nova em Portugal, havendo claramente casos de sucesso como por exemplo a Fundação Serralves ou a Parques Sintra Monte da Lua. No entanto estas são ainda excepções uma vez que a maioria das atracções culturais apenas mantém portas abertas por via de financiamento/subsídio, seja ele local ou central.

O Mundo já lhe chama Culturtainment
Um pouco por todo lado o património histórico-cultural de grande interesse turístico tem vindo a ser desenvolvido e gerido de forma a promover verdadeiras experiências culturais – culturtainment. A forma como se contam a(s) história(s) dos objectos, os eventos, as personagens, o cuidado do design que serve de palco à exibição do acervo cultural e a forma como se promove a interacção entre o visitante e este, proporcionam um contexto único e diferenciador de aprendizagem e(m) lazer.

Simon Punter explica Laboratório de Turismo Cultural
Desde 1999 que a ILM desenvolve exclusivamente projectos de turismo, sejam estes de puro planeamento turístico (a nível macro) ou hoteleiros, resort, golfe e spa, por exemplo. Ainda que a sua notoriedade e curriculum estejam muito associada ao desenvolvimento de resorts integrados, a nossa ligação e o nosso compromisso é com o desenvolvimento sustentável do turismo em Portugal, e é esse compromisso que tentamos sempre respeitar quando estamos a trabalhar num novo projecto independentemente do seu tipo e que já tem incluído âncoras de desporto, saúde, retalho e por aí fora .

ILM Advisory reforça área de consultoria a património histórico-cultural
A ILM Advisory oficializou a sua parceria com Simon Ody da “The Visitor Attraction Company”, com o objectivo de poder dar uma resposta especializada às necessidades decorrentes do desenvolvimento, implementação e gestão de equipamentos de lazer e património “visitor attractions”, cuja eficiência seja essencial à sua sustentabilidade. (https://ilmadvisory.wordpress.com/2010/11/04/ilm-advisory-reforca-area-de-consultoria-a-patrimonio-historico-cultural/)

Para download do programa e ficha de inscrição clique AQUI

Para mais informações, por favor contactar:
Organização Seminário
ILM Group
Nelson Carvalheiro
Av. da Liberdade Nº230, 1º Piso, 1250-148 Lisboa
Tel: 210 305 027(8)
E-mail: ncarvalheiro@ilm-group.com

Logistica Seminário
CPL Events
Rua das Calçadas, Vivenda Pereira, 1º andar, 2755‐277 Cascais
Tel: 21 400 35 40
Fax: 21 406 08 29
E‐mail: heritage@cplevents.pt

Comunicação Seminário
Fonte-Consultores de Comunicação
Maria João Pinto Coelho
Rua de S. Bernardo, 60 C, 1200-826 Lisboa
Tel: 21 392 99 90
Fax: +351 21 392 99 99
E-mail: maria.coelho@fontecomunicacao.pt





Turismo, sustentabilidade, cultura e património

26 10 2010

Nelson Carvalheiro

A noção de sustentabilidade da cultura e património enquanto negócio não é nova em Portugal, havendo claramente casos de sucesso como por exemplo a Fundação Serralves ou a Parques Sintra Monte da Lua. No entanto estas são ainda excepções uma vez que a maioria das atracções culturais apenas mantém portas abertas por via de financiamento/subsídio, seja ele local ou central.

Torna-se pertinente constatar alguns factos: 1)A Cultura representa apenas 1,7% do valor do OE que é distribuído por cada entidade dependente do Ministério da Cultura; 2)No caso do IMCInstituto de Museus e Conservação, apenas 38% do total de proveitos são gerados por actividade própria, traduzindo-se em dependência completa por financiamento/subsídio do Estado; 3)O valor correspondente às 34 dependências da Rede Nacional de Museus sob a responsabilidade do IMC, no ano de 2009, não foi suficiente para cobrir as despesas com as remunerações com o pessoal, sendo ainda necessário executar 28% das receitas próprias geradas pelas 34 dependências; 4)A rede nacional de museus registou 2.382.182 entradas em 2009 (um aumento de 12% em relação a 2008) sendo que 62% são gratuitas e 30% das pagas são feitas com 50% de desconto; 5)A soma de visitantes dos equipamentos CCB, Fundação Serralves, Parques de Sintra totaliza cerca de 2.200.000 visitantes por ano.

Tomemos como perspectiva o exemplo do Reino Unido e a sua estratégia concertada para tornar o património e a cultura como um veículo de desenvolvimento. O turismo de base cultural e patrimonial representa uma parte importante na actividade económica do Reino Unido (5ª maior em contribuição para o PIB). Instituições como o VisitBritain, Heritage UK, TheNationalTrust e Heritage Lottery Fundation são precursores de uma política e estratégia sustentável de dinamização do património e cultura para o turista do sec. XXI, onde a interacção pessoal, o storytelling, as experiências e a tecnologia dão resposta às necessidades, curiosidades e expectativas deste visitante.

A capacidade de planear e organizar uma estratégia, envolvendo todos os stakeholders de uma atracção de visitantes (Visitor Attraction), é a chave do sucesso, obrigando a operação destes equipamentos, como em qualquer outro negócio, a uma orientação para a competitividade, garantindo a necessária viabilidade económica da atracção cultural e patrimonial.
Portugal, país com um património e cultura física e imaterial formada durante 900 anos, apresenta um potencial ímpar para o desenvolvimento da actividade turística em torno destes recursos e é de notar e dar valor ao esforço que as instituições centrais e regionais estão a realizar com o intuito de transformar atracções culturais e de património em espaços vivos. O futuro do turismo de base cultural tem de passar pelo fortalecimento desta filosofia e estratégia de dinamização e optimização do potencial de adaptação do património e cultura em “Visitor Attractions” de sucesso. E esta realização não pode depender apenas da disponibilidade financeira do Estado e Autarquias, sendo peremptório a criação de mecanismos que permitam o envolvimento das mais variadas entidades e “stakeholders” neste desenvolvimento. Parcerias, sociedades gestoras e fundações são exemplos de entidades que poderão ser dotadas das capacidades estratégicas, planeamento e gestão do negócio de modo a transformar a atracção cultural numa “Visitor Attraction” de grande interesse turístico, promovendo a autenticidade, a originalidade e a história cultural e patrimonial de Portugal. Não obstante a atracção cultural poder ser o principal motivo de visita, há nesta lógica a oportunidade de promover a gastronomia, artesanato e hotelaria local, e a participação em actividades e experiências na região.

A integração de diferentes experiências potencia o número de visitantes, contribuindo para o aumento das receitas e autonomia do equipamento e das diferentes actividades de suporte (restauração, alojamento, artesanato, “Tours”, actividades entre outros). Com este aumento da receita, novos investimentos poderão ser efectuados tornando-o mais dinâmico e atractivo, garantindo a sua manutenção, competitividade e visibilidade no mercado.

Em forma de conclusão, saliento a importância do planeamento, da estratégia e da visão em função da experiência do visitante. A incorporação de Equipas gestoras profissionais é essencial para que a estratégia e o planeamento sejam exequíveis, gerindo uma atracção cultural como um negócio que não tem apenas que sobreviver, mas sim afirmar-se no mercado, através da criação de mais-valias para o negócio e comunidade.





Fractionals, uma solução ajustada à nova realidade do mercado

2 09 2010

ggarcia@ilm-ilmgroup.com

Gonçalo Garcia - Senior Analyst ILM Advisory

Os fractionals apresentam-se como uma forma de propriedade fraccionada, ainda que tenham associados todos os direitos e deveres inerentes à propriedade plena. Um tipo de propriedade que em vez de ser detida a 100% por um proprietário, tendo o usufruto livre do imóvel em qualquer altura do ano, o fractional permite ao seu proprietário possuir uma percentagem da totalidade da propriedade, usufruindo da utilização da sua propriedade num período designado.

Deste modo o fractional apresenta-se como uma alternativa de investimento em propriedades Premium (normalmente localizado em resorts exclusivos ou cidades) para uma franja de segmentos de mercado que não possuem a capacidade económica para uma aquisição plena ou que, possuindo a capacidade económica, não possui a disponibilidade de tempo para usufruto em qualquer período do ano.

Este corresponde de resto ao perfil do potencial comprador de fractionals identificado por um estudo internacional efectuado no final do ano passado. Salienta-se no referido estudo que para o mercado Europeu o potencial comprador de fractionals é um indivíduo astuto com um património pessoal bastante elevado. São normalmente indivíduos que experienciaram a propriedade plena quer em imóveis de luxo, yatchs, carros de luxo, ou jactos particulares, compreendendo os elevados custos de capital que aquele tipo de propriedade lhes acarretava.

No que concerne às localizações denota-se uma preferência por imóveis enquadrados em locais pitorescos e de elevada beleza natural. A proximidade a locais que proporcionem actividades, como praias, golfe, trilhos de natureza, esqui e outros apresentam-se igualmente como factores diferenciadores e decisivos na escolha do potencial comprador fractionals.

A relação dos fractionals com o Hospitality sector, nomeadamente com algumas das mais visíveis marcas hoteleiras (Fairmont Resorts, Raffles, Ritz-Carlton, Banyan Tree, Conrad Hilton, Four Seasons), e a possibilidade de enquadrar este produto em programas de trocas de direitos de utilização (Exchange) geridos pelas marcas hoteleiras ou outras associações, confere mobilidade ao proprietário de fractional, sendo claramente um dos factores decisivos na escolha do potencial comprador.

Os fractionals são ainda um produto recente no contexto europeu. Muito promotores estão a optar por este tipo de produto pela sua flexibilidade, e pela possibilidade de praticar valores de vendas num patamar inferior ao da propriedade plena. Contudo o crescimento das vendas estará sempre relacionado com a retoma económica e o aumento da apetência para a aquisição de produtos imobiliários, assim como pela disponibilização de mecanismos de financiamento do produto (este é ainda uma das principais barreiras).

Porém deve-se salientar que neste sentido já se encontram algumas soluções no mercado, de destacar no Reino Unido soluções de financiamento para fractionals até um máximo de 50.000 € sem recurso a garantias bancárias.

Assim, e com desafios e obstáculos por ultrapassar nomeadamente ao nível legal e de acesso a crédito, os fractionals posicionam-se como um produto bastante apelativo para um segmento de mercado que apesar da conturbada crise económica, não prescinde do nível e estilo de vida habitual, sendo esta uma solução ajustada à nova realidade de mercado, e uma clara oportunidade para promotores e clientes finais.





Imobiliário e turismo factores críticos de convergência

16 07 2010

Andrew Coutts

O volume da oferta de imobiliário turístico e a taxa de absorção de vendas verificada permite concluir que existe actualmente um desequilíbrio gerado pela fraca procura de mercado, verificada desde 2008. O proprietário movido pelo investimento, ou seja, pelo retorno proveniente das soluções de arrendamento (“buy to let”) ou pela rápida valorização da propriedade verificada até ao inicio da actual crise económica não está activo no Mercado. Os valores do imobiliário turístico verificaram um decréscimo de 10% e 20%, e até o mercado não mostrar sinais de recuperação, a procura existente é motivada por baixas de preços/descontos – “value seekers”.

É certo que, a fraca procura e o consequente estado actual de falta de confiança do mercado é resultante da situação económica vivida nos principais mercados emissores e das fortes medidas de austeridade implementadas por toda a Europa. Por exemplo, no Reino Unido o FTSE caiu 4% na primeira semana de Julho, a quebra dramática do valor das acções da BP teve um forte impacte nos fundos de pensão ingleses, atingindo todo o tipo de investidores, incluindo os “baby boomers”. Quase 1 milhão dos novos desempregados são jovens que voltaram a estar economicamente dependentes dos pais. O receio do aumento das taxas de juro e dos impostos está instalado. Mas as notícias positivas referentes ao mercado imobiliário no Reino Unido, começam a aparecer, tendo o preço médio, em 2010, verificado já um aumento de 3%. Ainda assim, esta leitura macro e micro da situação económica não nos fornece uma imagem clara das condições actuais para efeitos de marketing e deixa os promotores/investidores numa situação em que pouco podem fazer para alterar esta situação ainda que a sua actividade não possa parar. Para onde deverão então ser direccionados os seus esforços? Na minha opinião urge questionar até que ponto o perfil do proprietário de imobiliário turístico terá mudado ou estará a mudar com esta crise, em termos de comportamento. Quais os mercados geográficos emissores que mantêm a apetência de compra de propriedade de imobiliário turístico? Qual o perfil destes potenciais compradores – o que os motiva? Qual o “budget” que têm disponível, que tipo de produtos procuram e para que usos? Quais são os seus hábitos de recolha de informação? Quais são os seus hábitos diários em termos de lazer e de consumo de media? Etc.

Parece-me lógico afirmar que um mercado com menor procura exige que sejamos mais competitivos, a todos os níveis da cadeia de marketing. No contexto dos 4 P’s do marketing mix, produto, preço, promoção e distribuição, considero haver oportunidades para Portugal melhorar o seu posicionamento em termos de produto e distribuição, e isto aplica-se aos diferentes tipos de oferta.

A segmentação, o “targeting”, o “customer relationship management”, a cooperação entre “players” e entidades envolvidas na cadeia de valor assumem agora uma importância acrescida.

Na minha opinião o marketing do turismo residencial do Algarve tem de ser revisitado e urge agarrar a oportunidade de tornar o Destino de novo “moda” e isto deverá ser alvo de uma visão partilhada e de um esforço conjunto de reposicionamento do Algarve enquanto Destino de Turismo Residencial; de cooperação na criação de “buzz” em novos mercados e de uma estratégia conjunta de “e-destination marketing”.

Neste sentido aponto como oportunidades a curto prazo:

Actualização do “market intelligence” existente – quem são os novos potenciais proprietários? Onde estão? O que procuram? Para que fins? Como os vamos atingir de forma eficaz? Quais as condicionantes que temos de ultrapassar? Como podemos ajudar na compra?

Inovação de produto e no “pricing” – produtos “tailor made” e estruturas de preço flexíveis e integradas com a utilização de infra-estruturas de lazer – golfe, centros de wellness, equipamentos náuticos. Entrarão os “fractionals” nas soluções “low cost” que o mercado procura? Um artigo recente do Financial Times, assinado por Graham Norwood, identifica os fractionals como a solução de sonho para quem quer gozar uma propriedade de férias por um periodo anual limitado, uma vez que permite que o custo da propriedade seja dividido por mais do que um proprietário e como tal baixar substancialmente o valor individual do investimento. É um facto que em épocas de recessão o número de pessoas que se pode dar ao luxo de comprar uma unidade de imobiliário turistico no valor de 1 milhão, 1 milhão e meio e por aí em diante é ainda mais limitado. Mas está o sector preparado para agarrar esta oportunidade?

Nichos de mercado – focar em nichos de mercado, sejam eles os “boomers”, a geração Y, os amantes de golfe ou do mar; agrupar perfis de procura de forma a customizar as acções e a comunicação às suas motivações e interesses. Focando por exemplo os “boomers”. É sabido que a América já os trata por “snowbirds”, onde estão? O que procuram? Quais são as suas necessidades? Sofreram alterações no poder de compra? Quais são os seus planos para a reforma? Está o destino preparado para os receber?

Marketing integrado – em qualquer organização o retorno do investimento deverá ser sempre o maior objectivo. Todos os materiais e acções de marketing deverão funcionar de forma integrada, consistente e directamente com as vendas.

Cooperação – há custos que são uma necessidade do sector e que servem cada “player” da cadeia de valor, como sejam a informação de mercado actualizada, a promoção do destino como um todo, etc, e estes custos devem ser optimizados através da cooperação. A mesma cooperação deve estar na base de uma estratégia de comunicação de destino concertada, optimizada, eficaz e “buzzie”. A base para a criação de uma “product management company” regional que tenha por objectivo valorizar a economia turístico residencial do Algarve e integrar de uma vez por todas o turismo residencial na actividade turística.





Decisões Estratégicas – Emoção Vs. Razão?

19 11 2009

Gonçalo Garcia

Durante os últimos meses temos vindo a assistir a uma evolução interessante do sector turístico nacional. Um pouco à semelhança das premonições faraónicas, onde ciclos de boas colheitas com duração de 7 anos, caracterizados por “vacas gordas”, eram precedidos por ciclos de secas extremas de igual período caracterizados por “vacas magras”, também o turismo nacional tem observado comportamentos idênticos.

Apesar da analogia não ser a mais apropriada, em termos de duração dos ciclos, é totalmente adequada no que concerne ao principio da informação. Já naquele tempo, os faraós tinham a capacidade de repensar a forma como distribuíam o resultado das colheitas dos ciclos positivos, preparando o reino para ciclos negativos.

A grande diferença entre aquela era e os dias de hoje, é o facto de já não se recorrer (pelo menos com tanta frequência) a feiticeiros ou intérpretes de sonhos para se decidir que acções tomar no futuro, suportando-se em contrapartida na informação recolhida junto do mercado.

Foi com base neste princípio enquadrado pela responsabilidade assumida em participar no desenvolvimento sustentável do turismo, apoiado igualmente pelo reconhecimento que temos vindo a registar por parte dos empreendedores de projectos turísticos em Portugal para a necessidade de re-pensar e re-adaptar os seus projectos de modo a irem ao encontro das expectativas do turista do Século XXI, que instituímos um conjunto de medidas capazes de “radiografar” e caracterizar o mercado turístico nacional.

As iniciativas estendem-se desde a aferição dos índices de confiança ao nível do turismo residencial, passando pela caracterização do perfil de potenciais compradores de imobiliário turístico, à monitorização de indicadores chave da performance turística, como é o caso de ocupações, preços médios, movimentos de aeroporto e outros. Neste âmbito, e rompendo com a demagogia já existente no capítulo das análises de mercado, temos vindo a observar com regularidade indicadores que de forma indirecta demonstram a “saúde” do turismo nacional, como é o caso das visitas a monumentos ou até mesmo o volume transaccionado de doçaria típica da cidade de Lisboa.

É legitimo questionarmos a utilidade da informação produzida. Sabendo que na grande maioria dos projectos turísticos nacionais, existe uma elevada ligação emocional dos empreendedores ao seu projecto, não é menos verdade que em última instância é sempre o mercado a ditar a adequabilidade desse mesmo projecto, conferindo-lhe no fim um “selo” de sucesso ou insucesso. E é precisamente devido a este factor, que a informação de mercado assume um papel preponderante em qualquer decisão estratégica.

Independentemente da fase em que o projecto turístico se encontre, seja em concepção, em construção ou em exploração, agravado pela volatilidade recente do mercado turístico, e pela quase obrigação de repensar a estratégia a seguir, que a informação de mercado surge como um suporte racional na definição do “caminho” a seguir.

Como exemplo, destaca-se a iniciativa recente da caracterização do perfil do potencial comprador de imobiliário turístico no Alentejo. Sendo esta uma região com reconhecido elevado potencial, e possuindo actualmente alguns projectos com componente de turismo residencial desenvolvidos à semelhança de produtos baseados em mercados distintos como o Algarve, as conclusões obtidas indiciam que o perfil dos potenciais compradores não se encontra perfeitamente alinhado com a oferta de produto existente e disponível.

Esta razão estabelece, a par com o abrandamento económico, um justificativo para a dificuldade na colocação dos produtos no mercado. Por outro lado, determina claramente quais os produtos de turismo residencial mais apropriados às características do mercado actual, estabelecendo linhas de orientação para todos os projectos que se encontram em fase de concepção, ou em condição de revisão. Esta é uma situação evidente, onde a mais-valia da “razão” justificada pela informação de mercado, se sobrepõe à emoção de constituir um produto turístico assente em “feelings”.

Por outro lado, iniciativas com o intuito de monitorar a performance da operação hoteleira em regiões estratégicas do país, como é o caso do Algarve, são igualmente úteis no que concerne à partilha de uma visão correcta, ponderada e isenta de histerismos da real condição do mercado, possibilitando deste modo o estabelecimento de uma linha de orientação sobre a qual os estabelecimentos hoteleiros poderão aferir o seu posicionamento face ao mercado. Num destino maturado como o Algarve propicio à transacção de activos imobiliários, é fundamental possuir conhecimento preciso de mercado de modo a potenciar apropriadamente a concretização deste tipo de oportunidades de negócio.

Assim, entende-se que possuir a capacidade de observar o mercado, interpretá-lo e compreender as mensagens que este nos transmite é fundamental para qualquer tomada de decisão consciente. Certo é que, seja qual for o negócio, existe sempre um certo nível de risco e incompreensão, podendo e devendo porém, ser colmatado com informação fidedigna e estratégica sobre os principais aspectos do mesmo, nomeadamente tipo de produto a oferecer e modelo de negócio a seguir.

É neste sentido que o acompanhamento regular dos principais vectores do sector turístico nacional, nos diferentes destinos e produtos que constituem o Produto Portugal, se assume como determinante na evolução turística, providenciando informação / orientações actualizadas sobre como agir face às condições de mercado.