Segmento Meeting Industry recua no Algarve

25 10 2010

Digital Mais_Segmento de Meeting Industry recua no Algarve





Experiência Açores. Bastará a substância para proporcionar umas férias inesquecíveis?

3 08 2010

Gonçalo Garcia

Quem me conhece sabe que gosto de passar os meus tempos livres em contacto com a natureza. É algo que me preenche e que me deixa num estado de tranquilidade único.

Sempre que tenho oportunidade, faço por fugir do ritmo acelerado de Lisboa, para paragens mais tranquilas, sem que isso implique necessariamente fazer muito quilómetros, um passeio por Sintra, um tour pelas paisagens bucólicas do Oeste, uma manhã de BTT na Apostiça, uma viagem de ferry para a Comporta ou até mesmo uma corrida no passeio marítimo de Oeiras ao final do dia, é o bastante para despertar a minha atenção para os maravilhosos recursos naturais que o nosso país tem para oferecer.

Movido por esta motivação, tive, no passado mês de Junho, a oportunidade de passar uns dias em família num local onde andava, há já algum tempo, a planear ir – Ilha das Flores – Açores.

Não foi a primeira vez que estive nos Açores, mas foi certamente a mais marcante de todas, positiva e negativamente.

Para um amante da natureza como eu, as Flores são sem dúvida um santuário vivo. A força e exuberância da natureza são por demais. A simplicidade e genuína simpatia das gentes faz-nos sentir bem-vindos. Todo o enquadramento da ilha com o Mar, as enormes quedas de Água, as fajãs, as lagoas, as grutas, os locais de nidificação dos Garajaus, os trilhos e estradas demarcadas pelas Hortenses roxas, rosas e azuis, e claro está os golfinhos e baleias, estabelecem recursos turísticos fabulosos para um destino de eleição.

Mas bastará a substância para proporcionar umas férias inesquecíveis? Será que os recursos turísticos justificam por si só um destino numa ilha de 17km por 12Km, no meio do oceano atlântico, sendo o avião o meio de transporte mais eficiente para chegar, operado por uma única companhia aérea, e onde o clima é uma verdadeira “roleta russa”, em que num dia se pode experienciar as quatro estações do ano.

É evidente que não se podem fazer “omeletas sem ovos”, mas por maior qualidade e certificação que os ovos tenham, há que saber extrair e potenciar o sabor dos mesmos.

A Ilha é de facto extraordinária. Alugando um carro, ou utilizando um táxi, consegue-se percorrer a ilha e visitar os pontos mais interessantes num só dia. Se quisermos mesmo abrandar o ritmo e usufruir de toda a energia que a natureza nos proporciona até o poderemos estender a visita a dois dias. E isto já incluindo., claro está, sair das estradas, entrar nos trilhos e visitar o menos óbvio. Ver as coisas numa outra perspectiva.

Um passeio de Barco, uma ida ao Corvo, ver os Golfinhos, visitar as grutas e nadar em pleno Oceano Atlântico representa mais um dia. Podemos ainda revisitar as localidades da ilha, os parques e os miradouros (isto se o nevoeiro deixar), Jantar no restaurante Pôr do Sol com vista para a América (ali já a 3500 km), ou almoçar em Ponta Delgada, do lado mais agreste e expostos aos ventos do Norte, no restaurante do Meireles com peixe acabado de pescar.

Para mim, tudo isto é espectacular, e dou-o como tempo muito bem empregue.

Agora o que fazer, quando a única companhia aérea que voa inter-ilhas, está a braços com uma greve de 4 dias, e os serviços mínimos (mesmo mínimos) representam um avião diário de 80 lugares que quando chega às Flores já vem na sua capacidade máxima proveniente das outras Ilhas e sem possibilidade de colocar os passageiros nos seus destinos nas datas previstas, e subitamente uma estadia que seria de 5 dias passa para 9 dias? Será que é um brinde numas férias bem passadas?

Estaria a enganar-me se não assumisse que sabe bem termos umas férias prolongadas, pagas por terceiros. Mas o que fazer quando tudo o que está à nossa disposição no destino já foi feito?

Uma experiência que poderia ter sido extraordinária, foi apenas boa. É nestas alturas que se sente falta da integração e da sustentabilidade. Sustentabilidade não é só manter os recursos intocáveis e incrivelmente bem preservados. Tem igualmente a ver com o equilíbrio do uso que se faz destes recursos, e da forma como as comunidades locais poderão beneficiar economicamente com a sua presença e partilha.

É certo que se diz que “Roma e Pavia não se fizeram num dia”, mas devem ter começado num certo dia. O mesmo acredito para esta ilha extraordinária. Não se irá alterar de um momento para o outro, mas coisas simples como, possibilitar a participação em workshops de produção de produtos locais como queijos ou doçaria, viver uma manhã com os pastores locais, alugar duas bicicletas em qualquer localidade da ilha ou participar no desembarque do pescado da faina nocturna, são exemplos de realidades existentes que poderão ser abertas ao turista, proporcionando deste modo uma experiência mais abrangente, completa, integrada e ao serviço da comunidade local.

A médio-longo prazo outras evoluções poderão ser consideradas, especialmente no que concerne à minimização do estatuto periférico da ilha em relação ao arquipélago, e neste sentido, um sistema de transportes inter-ilhas ou algo que nós continentais tomamos por garantido “Internet de Banda Larga” poderão contribuir para elevar a ilha a um destino de excelência.

O Turismo é a forma mais clara onde estas dinâmicas se encontram, e neste sentido, apesar de ter adorado estar nas Flores, acredito que o potencial de desenvolvimento turístico daquela Ilha é enorme – Ilha boutique.

Não é, nem deve ser um local de massas, mas sim um palco de experiências autênticas e inesquecíveis, possibilitando um usufruto pleno de todos os recursos da Ilha, convertendo esta dinâmica para o aumento da qualidade de vida da comunidade local.

Agora só já falta conhecer a Graciosa e Santa Maria……..





Decisões Estratégicas – Emoção Vs. Razão?

19 11 2009

Gonçalo Garcia

Durante os últimos meses temos vindo a assistir a uma evolução interessante do sector turístico nacional. Um pouco à semelhança das premonições faraónicas, onde ciclos de boas colheitas com duração de 7 anos, caracterizados por “vacas gordas”, eram precedidos por ciclos de secas extremas de igual período caracterizados por “vacas magras”, também o turismo nacional tem observado comportamentos idênticos.

Apesar da analogia não ser a mais apropriada, em termos de duração dos ciclos, é totalmente adequada no que concerne ao principio da informação. Já naquele tempo, os faraós tinham a capacidade de repensar a forma como distribuíam o resultado das colheitas dos ciclos positivos, preparando o reino para ciclos negativos.

A grande diferença entre aquela era e os dias de hoje, é o facto de já não se recorrer (pelo menos com tanta frequência) a feiticeiros ou intérpretes de sonhos para se decidir que acções tomar no futuro, suportando-se em contrapartida na informação recolhida junto do mercado.

Foi com base neste princípio enquadrado pela responsabilidade assumida em participar no desenvolvimento sustentável do turismo, apoiado igualmente pelo reconhecimento que temos vindo a registar por parte dos empreendedores de projectos turísticos em Portugal para a necessidade de re-pensar e re-adaptar os seus projectos de modo a irem ao encontro das expectativas do turista do Século XXI, que instituímos um conjunto de medidas capazes de “radiografar” e caracterizar o mercado turístico nacional.

As iniciativas estendem-se desde a aferição dos índices de confiança ao nível do turismo residencial, passando pela caracterização do perfil de potenciais compradores de imobiliário turístico, à monitorização de indicadores chave da performance turística, como é o caso de ocupações, preços médios, movimentos de aeroporto e outros. Neste âmbito, e rompendo com a demagogia já existente no capítulo das análises de mercado, temos vindo a observar com regularidade indicadores que de forma indirecta demonstram a “saúde” do turismo nacional, como é o caso das visitas a monumentos ou até mesmo o volume transaccionado de doçaria típica da cidade de Lisboa.

É legitimo questionarmos a utilidade da informação produzida. Sabendo que na grande maioria dos projectos turísticos nacionais, existe uma elevada ligação emocional dos empreendedores ao seu projecto, não é menos verdade que em última instância é sempre o mercado a ditar a adequabilidade desse mesmo projecto, conferindo-lhe no fim um “selo” de sucesso ou insucesso. E é precisamente devido a este factor, que a informação de mercado assume um papel preponderante em qualquer decisão estratégica.

Independentemente da fase em que o projecto turístico se encontre, seja em concepção, em construção ou em exploração, agravado pela volatilidade recente do mercado turístico, e pela quase obrigação de repensar a estratégia a seguir, que a informação de mercado surge como um suporte racional na definição do “caminho” a seguir.

Como exemplo, destaca-se a iniciativa recente da caracterização do perfil do potencial comprador de imobiliário turístico no Alentejo. Sendo esta uma região com reconhecido elevado potencial, e possuindo actualmente alguns projectos com componente de turismo residencial desenvolvidos à semelhança de produtos baseados em mercados distintos como o Algarve, as conclusões obtidas indiciam que o perfil dos potenciais compradores não se encontra perfeitamente alinhado com a oferta de produto existente e disponível.

Esta razão estabelece, a par com o abrandamento económico, um justificativo para a dificuldade na colocação dos produtos no mercado. Por outro lado, determina claramente quais os produtos de turismo residencial mais apropriados às características do mercado actual, estabelecendo linhas de orientação para todos os projectos que se encontram em fase de concepção, ou em condição de revisão. Esta é uma situação evidente, onde a mais-valia da “razão” justificada pela informação de mercado, se sobrepõe à emoção de constituir um produto turístico assente em “feelings”.

Por outro lado, iniciativas com o intuito de monitorar a performance da operação hoteleira em regiões estratégicas do país, como é o caso do Algarve, são igualmente úteis no que concerne à partilha de uma visão correcta, ponderada e isenta de histerismos da real condição do mercado, possibilitando deste modo o estabelecimento de uma linha de orientação sobre a qual os estabelecimentos hoteleiros poderão aferir o seu posicionamento face ao mercado. Num destino maturado como o Algarve propicio à transacção de activos imobiliários, é fundamental possuir conhecimento preciso de mercado de modo a potenciar apropriadamente a concretização deste tipo de oportunidades de negócio.

Assim, entende-se que possuir a capacidade de observar o mercado, interpretá-lo e compreender as mensagens que este nos transmite é fundamental para qualquer tomada de decisão consciente. Certo é que, seja qual for o negócio, existe sempre um certo nível de risco e incompreensão, podendo e devendo porém, ser colmatado com informação fidedigna e estratégica sobre os principais aspectos do mesmo, nomeadamente tipo de produto a oferecer e modelo de negócio a seguir.

É neste sentido que o acompanhamento regular dos principais vectores do sector turístico nacional, nos diferentes destinos e produtos que constituem o Produto Portugal, se assume como determinante na evolução turística, providenciando informação / orientações actualizadas sobre como agir face às condições de mercado.