O Mundo já lhe chama Culturtainment

17 11 2010

Rita Antonieta Neves

A cultura é sem dúvida uma das mais importantes motivações de visita a uma região. De forma a alimentar o Laboratório de Turismo Cultural, a ILM analisa todos os meses as entradas de visitantes em Museus, Monumentos e outros activos culturais, confirmando que estes facilmente atraem diferentes tipos de públicos, desde os mais jovens aos mais velhos, venham estes sozinhos, em casal ou em grupos de amigos, familiares ou escolas.
Um pouco por todo lado o património histórico-cultural de grande interesse turístico tem vindo a ser desenvolvido e gerido de forma a promover verdadeiras experiências culturais – culturtainment. A forma como se contam a(s) história(s) dos objectos, os eventos, as personagens, o cuidado do design que serve de palco à exibição do acervo cultural e a forma como se promove a interacção entre o visitante e este, proporcionam um contexto único e diferenciador de aprendizagem e(m) lazer.

A nível mundial a cultura tornou-se um importante factor soft de motivação da visita em qualquer destino, e um factor chave de competitividade e aumento da atractividade económica e social a nível regional e local. A economia das experiências, definida como a oferta de experiências que conjugam aprendizagem com entretenimento, deu origem a uma competição crescente entre activos culturais e outras infra-estruturas de lazer.

O turismo educacional apresenta-se sem dúvida como uma tendência de consumo. O turista procura cada vez mais experiências que promovam a mudança entre estados de espírito, que lhe permitam desenvolver o pensamento, lhe sirvam de inspiração e ao mesmo tempo o divirtam. Destaca-se a vontade crescente de partilha dos conhecimentos sobre uma determinada cultura, facto que contribui para o aumento da sua compreensão e consequente importância.

Mas o desenvolvimento deste turismo cultural de carácter educativo através da interacção pode estar seriamente condicionado se continuar a ser gerido unilateralmente e se não for optimizado pelo destino global. As condicionantes ao seu desenvolvimento incluem o aumento da concorrência, a ausência de uma gestão profissional, quer a nível operacional como de planeamento de experiências, e a pressão crescente em conseguir despertar o interesse de um visitante cada vez mais sofisticado, que tem cada vez menos tempo, mais hipóteses de escolha e que sabe tirar o melhor partido das diferentes ferramentas de informação que tem ao seu dispor, nomeadamente da internet.
De salientar que na economia das experiências em que vivemos os produtos são desenvolvidos em função das necessidades da procura e não da oferta, contrariando o que se verifica em muitos dos nossos activos culturais. A tendência crescente é para que a oferta e a procura caminhem a par e passo, não comprometendo a riqueza da herança histórica e cultural mas sim valorizando-a, optimizando-a e promovendo o seu desenvolvimento económico e social sustentável.

O Turismo cultural é portanto um excelente veículo para estimular a cooperação entre os diferentes agentes públicos (entidades do Turismo, do património, dos museus, autarquias…) e privados (investidores, mecenas, fundações, hotelaria), promover o desenvolvimento sustentável atraindo mais turistas para uma região e consequentemente aumentar as receitas locais, gerar mais emprego e outras mais-valias sociais. A cultura deverá ser então usada como base à optimização da identidade regional e o marketing de destino deverá ser a ferramenta de gestão de eleição promovendo a identificação de uma identidade única e distintiva através da analise do DNA cultural de um destino, ou seja de todos os recursos históricos, culturais, ambientais e sociais que caracterizam o destino e a sua autenticidade. Estes recursos podem ser ícones, locais especiais (ex: promontório sagrado), eventos históricos (ex: guerras peninsulares), personagens (ex: Pedro e Inês ou mesmo as pinturas rupestres do Côa), entre outros suficientemente fortes para dar origem a uma viagem de descoberta, a um story telling diferenciador e catalisador de experiências.

Este potencial de catalisador deve ser optimizado ao ponto de promover a ligação através da história e da cultura entre destinos mesmo a nível transfronteiriço (ex: os descobrimentos), pelo que a criação de “hubs” culturais é vital e exige cooperação na perseguição de um objectivo global que trará benefícios para todos: para a hotelaria que precisa de vender camas com valor acrescentado, para o Turismo do destino que precisa de ancorar os seus esforços em factores de autenticidade únicos e memoráveis, para o sector das viagens que está velozmente a adaptar-se às necessidades de experiências do turista do séc. XXI.

O desenvolvimento conjunto de produto turístico diferenciador fortalece, torna visível e tangível a identidade do destino e acarreta benefícios para todos, incluindo para um património que tantas vezes teima em viver de costas voltadas para a prosperidade que a economia do turismo lhe pode garantir, ou mesmo para uma região que teima em ser destino mas não consegue entender que a cultura local pode ser o seu maior trunfo.





ILM, Turismo de Portugal e IGESPAR organizam Seminário Promover Turismo, Capitalizar Cultura

11 11 2010

ILM, Turismo de Portugal e IGESPAR organizam Seminário Promover Turismo, Capitalizar Cultura

O Grupo ILM, com o apoio do Turismo de Portugal e do IGESPAR, está a organizar o SeminárioPromover o Turismo ~ Capitalizar a Cultura” dirigido especialmente aos intervenientes das áreas do Turismo e Cultura em Portugal, que se realiza no dia 3 de Dezembro na Torre do Tombo em Lisboa.

O Seminário, de um dia, promete fomentar o debate entre entidades chave do sector público e privado do Turismo e da Cultura sobre a importância da sustentabilidade do património cultural, seu planeamento, estratégia e visão, em função da experiência do visitante e turista enquanto factores críticos e catalisador de sucesso ao seu desenvolvimento.

O tema contextualiza-se na optimização do património cultural nacional recorrendo à sua recuperação e/ou operação sustentável, com foco nas necessidades de experiências educacionais e culturais dos visitantes, sem comprometer a autenticidade e nobreza do património e da cultura.

Promover o Turismo ~ Capitalizar a Cultura” pretende constituir uma oportunidade de reforçar o diálogo entre turismo e cultura como forma de criar sinergias e simbioses sustentáveis, produzindo benefícios socioeconómicos para todos os seus stakeholders.

Serão apresentados exemplos de boas práticas em cooperação, organização, gestão e financiamento através dos casos de sucesso de VisitBritain, Hadrian’s Wall Country e Heritage Lottery Fund UK.

ALGUNS DOS ORADORES CONFIRMADOS:
_Luís Patrão – Presidente Turismo de Portugal
_Gonçalo Couceiro – Director – IGESPAR
_Joss Croft, Visit Britain
_Emma Carver, English Heritage
_Gareth Maeer, Heritage Lottery Fund
_Linda Tuttiett, C.E.O Hadrians Wall Country
_Alisdair Hinshelwood, Director HaleySharpDesign
_Simon Ody, Director The Visitor Attraction Company

Para download do programa e ficha de incrição clique AQUI

Para mais informações, por favor contactar:

Organização Seminário
ILM Group
Nelson Carvalheiro
Av. da Liberdade Nº230, 1º Piso, 1250-148 Lisboa
Tel: 210 305 027(8)
E-mail: ncarvalheiro@ilm-group.com

Logistica Seminário
CPL Events
Linda Pereira
Rua das Calçadas, Vivenda Pereira, 1º andar, 2755‐277 Cascais
Tel: 21 400 35 40
Fax: 21 406 08 29
E‐mail: heritage@cplevents.pt

Comunicação Seminário
Fonte-Consultores de Comunicação
Maria João Pinto Coelho
Rua de S. Bernardo, 60 C, 1200-826 Lisboa
Tel: 21 392 99 90
Fax: +351 21 392 99 99
E-mail: maria.coelho@fontecomunicacao.pt





Apresentado o Algarve Meeting Industry Market Survey 2010

11 10 2010

Pelo segundo ano consecutivo a ILM Advisory e a Associação de Turismo do Algarve desenvolvem em parceria uma análise à performance do produto estratégico Turismo de Negócio, denominada Algarve Meeting Industry Market Survey 2010.

A sessão de apresentação do estudo contou com a presença de Nuno Aires, Presidente da Associação de Turismo do Algarve, bem como outras personalidades do Turismo nacional, ficando a apresentação dos resultados do a cargo de Andrew Coutts e Gonçalo Garcia da ILM Advisory, entidade parceira no desenvolvimento desta iniciativa.

Para Nuno Aires, as conclusões do estudo a apresentar vão permitir “compreender melhor as alterações sofridas no âmbito do produto turístico estratégico MI, e o seu desempenho a nível regional”. Nuno Aires ressalta ainda que “a colaboração e apport das diversas entidades e especialistas, que forneceram importante informação, consubstanciou a pesquisa e análise de mercado efectuada pela ILM, que se traduz numa importante ferramenta de consulta e trabalho para as empresas do sector e para o Turismo do Algarve, face aos resultados e indicadores apresentados, que são em boa medida aquilo que seria expectável face à concorrência e à retracção no investimento.”

Num momento em que o turismo sofre profundas alterações ao nível da oferta, da procura e dos canais de distribuição, as implicações são óbvias em matéria do circuito de comercialização. A actual conjuntura económica, obriga a que sejamos cada vez mais empreendedores, criativos e inovadores, para fazer face à nova procura de mercado, competitivo por natureza. Segundo o Presidente da Associação de Turismo do Algarve “torna-se imperioso que tenhamos a noção exacta de onde nos situamos, para que possamos definir a estratégia de abordagem a um segmento de mercado tão importante como seja o MI”.

Sendo o Meeting Industry (MI), tendencialmente, um dos produtos do PENT (Plano Estratégico Nacional do Turismo), que mais contribui para o esbatimento da sazonalidade, apresentando um forte potencial de crescimento, quando confrontados com uma quebra, face a anos anteriores, fruto da desaceleração económica que obrigou as empresas a reduzir drasticamente os custos em incentivos, acções de marketing empresarial, e outras actividades corporativas organizadas em destinos turísticos como o Algarve, é obrigatório avaliar a situação, para agir assertivamente.

O estudo a apresentar vem dar continuidade ao trabalho iniciado no ano transacto com a realização da primeira monitorização do segmento Meeting Industry no Algarve.

Como principais conclusões, salienta-se o surgimento moderado de novas instalações para a exploração do segmento Meeting Industry com localização nos concelhos identificados pelos DMC’s nacionais – aquando da realização do Algarve Meeting Industry Market Survey 2009 – como regiões com elevado potencial para a exploração do segmento, e a inexistência de uma mudança significativa no perfil do consumidor assim como nas motivações e critérios de decisão pelo destino Algarve, face à análise efectuada anteriormente.

A indústria farmacêutica manteve a sua predominância, em termos de sector de actividade que mais recorre ao consumo de produtos Meeting Industry, seguido da “Banca e Seguros”.

No comparativo anual assistiu-se a uma redistribuição da dimensão dos grupos, tendo os grupos de maior dimensão dado lugar a grupos de dimensões mais reduzidas, observando-se de forma transversal o aumento no número de grupos de menores dimensões, seguindo uma vez mais a tendência mundial instalada para grupos de menores dimensões.

O estudo analisa ainda variáveis como a nacionalidade, a distribuição, sazonalidade, motivações, duração dos eventos, preços médios praticados, % do segmento MI no volume total de negócios e concorrência.
Algarve Meeting Industry Market Survey 2010





Portos nacionais longe dos objectivos do PENT

16 12 2009

Maria João Silva

Através da análise ILM Advisory dos dados estatísticos dos dois principais portos nacionaisLisboa e Funchal, foi possível constatar que, no acumulado do ano até à data, tanto o porto do Funchal como o Porto de Lisboa registaram um acréscimo no número total de passageiros transportados – mais 14.313 em Lisboa e 26.854 no Funchal, e que este último superou, até ao momento, todos os valores alcançados em 2008.

Não obstante os resultados alcançados, os portos em causa ainda estão longe de figurar na lista dos oito melhores portos europeus, objectivo este delineado aquando da inclusão do produto náutico no PENT. A indústria dos cruzeiros movimenta anualmente cerca de 15 milhões de passageiros, estimando-se que o número de europeus a viajar em cruzeiros venha a duplicar até 2020 e que este sector valha entre 80 e 90 milhões de euros em Portugal.

Assim, para se atingir o objectivo proposto é necessário procederem-se a melhorias significativas nos portos em causa, nomeadamente nos terminais e efectuarem-se esforços na captação de um maior número de cruzeiros internacionais. O comunicado da abertura do primeiro escritório em Portugal da companhia de cruzeiros italiana – MSC Cruzeiros – evidencia o potencial que o nosso país possui para dar resposta a este segmento em franca expansão, devendo por isso ser implementadas as medidas necessárias para que, no final do período de vigência do PENT (2015), tenham sido alcançadas as metas propostas e Portugal seja visto como um destino de referência de cruzeiros na Europa.

Novembro 2009 com comportamentos antagónicos

No comparativo dos meses de Novembro de 2008 e 2009, a ILM constatou que o Porto do Funchal, em termos globais, alcançou uma performance superior do que o de Lisboa no comparativo dos meses de Novembro de 2008 e 2009.

À excepção do verificado na rubrica “escalas”, onde se registaram decréscimos em ambos os portos (menos duas no Porto de Lisboa e menos quatro no do Funchal), nas restantes rubricas os portos em análise apresentaram comportamentos antagónicos

Assim, enquanto que o Porto do Funchal obteve resultados positivos ao nível do número de passageiros em trânsito e totais (mais 3.386 e 2.591, respectivamente), o Porto de Lisboa alcançou uma performance positiva no que diz respeito ao número total de passageiros embarcados (mais 255) e desembarcados (mais 112).





93% dos potenciais proprietários do imobiliário turístico no Alentejo são portugueses

18 11 2009

Luis de Mesquita Figueiredo

A conclusão resulta da análise desenvolvida pela ILM Advisory para traçar o perfil do potencial proprietário de imobiliário turístico no Alentejo Litoral e Interior. O ano de 2009 ficará marcado na história pelos fortes impactes da crise económica nomeadamente nos mercados imobiliários, pelo que compreender as necessidades e aspirações da procura potencial daquele que se propõem a ser o destino que se segue no mercado de Turismo Residencial nacional deu o mote a mais uma das iniciativas de conhecimento de mercado da consultora especializada em turismo.

 

A análise denominada Alentejo Mini Monitor conclui ainda que 82,5% dos potenciais proprietários tem entre 25 e 54 anos, sendo que 30% encontram-se entre os 35 e 44 anos e 29% entre os 45 e os 54 anos. No que diz respeito à situação familiar 75% afirma viver em família, sendo que cerca 32% possuí um filho e 38% possuí dois filhos. Não obstante a baixa taxa de resposta referente ao rendimento anual auferido, 21% dos entrevistados respondeu auferir um rendimento médio anual entre 36.500€ e 51.100€.

Quando questionados sobre o orçamento considerado pelos potenciais proprietários à compra de uma segunda habitação cerca de 66% da procura do litoral e 72% da do interior indicou estar disposta a despender até 295.000 para a aquisição de uma segunda habitação. Um resultado que se verifica em sintonia com a pirâmide de posicionamento de preço vs quota de mercado reconhecida no mercado internacional como referência.

De destacar que no intervalo de valores entre os 735.000 e 1.500.000€  a % de potenciais proprietários é maior para o interior do que para o litoral, facto que poderá ser justificado pelo desejo de aquisição de propriedade de maior dimensão.

Sobre o tipo e tipologia da propriedade que gostavam de adquiri a análise conclui que em ambas as regiões existe uma procura preferencial por moradias isoladas de 3 e 4 quartos mas salienta também uma preferência por apartamentos, nomeadamente de 2 quartos para o Litoral.

44% dos potenciais proprietários referiu ainda utilizaria a propriedade como casa pessoal de férias conjugando com os fins-de-semana, e aproximadamente 15% dos inquiridos mostraram-se dispostos a arrendar essa mesma propriedade e 11,5% desejar nela viver permanentemente.

A intenção de uso médio anual varia entre as 2 e 13 semanas verificando mais de 65% das respostas recolhidas, sendo que a utilização entre as 2 e 6 semanas foi enunciada por  36,5% dos inquiridos e a utilização entre as 7 e 13 semanas obteve 32% das intenções.

Conscientes da oferta futura de resorts prevista para o destino Alentejo, foi também objectivo da análise ILM perceber quais os serviços que os potenciais proprietários mais valorizam num resort, o que permitiu constatar que não existem grandes disparidades entre o litoral e o interior. Assim, segurança, manutenção e limpeza foram identificadas como sendo as três rubricas mais relevantes, apresentando taxas de resposta entre 11 e 13%.

Quando inquiridos sobre os serviços de arrendamento as respostas dividem-se em função da região, dando os potenciais proprietários do litoral pouca importância a este serviço (6%), ao contrário dos do interior que lhe atribuem uma importância de 10%. Situação inversa verifica-se ao nível dos serviços comerciais, dando os potenciais proprietários do litoral mais importância a este serviço do que os do interior (12% vs 7%).

A qualidade das praias do Litoral é o principal factor motivacional para a compra de uma segunda habitação na região. Segue-se a localização desta região, nomeadamente devido à centralidade da mesma no país. No Alentejo Interior a fuga das cidades e a procura de tranquilidade são o principal factor motivacional para a compra, seguindo-se de perto factores como a paisagem e a gastronomia local.

O Algarve foi identificado como o principal destino alternativo para a compra de uma segunda habitação em ambas as regiões, como localização alternativa os potenciais proprietários do Alentejo Litoral apresentam o Oeste e os do interior mencionam o Douro e o Norte – regiões que se caracterizam igualmente por um maior contacto com a natureza e consequente tranquilidade.

O Alentejo Mini Monitor foi desenvolvido com base na aplicação de um questionário na rua a turistas e transeuntes, nas regiões de Tróia, Soltróia, Comporta, Évora, Marina da Amieira, Alcácer do Sal e Grândola, assim como em unidades de alojamento, agências imobiliárias, postos de turismo e restaurantes locais. A recolha da informação foi efectuada entre os dias 23 de Junho e 4 de Setembro e de um total de 200 respostas recolhidas, 62% foram provenientes de potenciais proprietários.

(Download) Alentejo Mini Monitor